DAN Medical Frequently Asked Questions

Back to Medical FAQ List
Bookmark and Share

VISÃO GERAL DOS DISTÚRBIOS VALVULARES

O coração tem quatro válvulas principais que possibilitam a atividade de bombeamento do coração:
  • A valva tricúspide, entre o átrio direito e o ventrículo direito.

  • A válvula pulmonar, entre o ventrículo direito e a artéria pulmonar.

  • A válvula mitral, entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo.

  • A valva aórtica, entre o ventrículo esquerdo e a aorta.
  • Cada válvula é composta por um conjunto de abas (também chamadas "folhetos"
    ou "cúspides") que abrem e fecham para permitir que o sangue flua na direção correta. A função das válvulas pode ser comprometida por anormalidades congênitas ou adquiridas. Infecção, febre reumática ou envelhecimento podem causar danos às válvulas. Por exemplo, a abertura de uma válvula pode estreitar (uma condição conhecida como "estenose"), ou seja, o coração precisa trabalhar mais para que o sangue passe através da abertura; isso gera uma pressão maior no interior do coração e, eventualmente faz com que o músculo cardíaco se desenvolva demais. Um outro problema comum é o fechamento valvular incompleto, o que permite que o sangue flua no sentido contrário através da válvula (uma condição conhecida como "regurgitação"); isso sobrecarrega o coração com sangue, e acaba resultando em um alargamento (ou "dilatação") das cavidades do coração.

    As duas valvopatias mais comuns em adultos mais velhos são a estenose aórtica e a regurgitação mitral. Os sintomas de distúrbios valvulares variam dependendo de qual é a válvula afetada, assim como do tipo e gravidade da alteração. Ligeiras alterações podem não causar nenhum sintoma; um sopro cardíaco - detectado quando o coração é examinado com um estetoscópio - é muitas vezes o primeiro sinal de danos na válvula. Na estenose aórtica, no entanto, o esforço pode causar dor no peito (conhecida como "Angina") ou uma sensação de aperto no peito, falta de ar, desmaios ou palpitações cardíacas. A morte súbita em atletas saudáveis às vezes é causada por estenose aórtica. Regurgitação também pode causar sintomas detectáveis, tais como falta de ar ou respiração ofegante quando deitado; estas queixas podem ser intensificadas pelo exercício, pelo aumento da resistência à respiração e pela imersão.

O tratamento de distúrbios valvulares geralmente envolve cirurgia. Válvulas defeituosas podem ser reparadas ou substituídas por próteses.

A prevenção de danos valvulares é, com certeza, a melhor abordagem. Exames físicos de rotina podem revelar indícios de doença valvular precoce. Nesses casos, um acompanhamento médico minucioso e precoce é recomendado para identificar, e com sorte retardar, a progressão do dano.
Anomalias valvares importantes podem impedir o mergulho até que elas possam ser corrigidas. Mesmo após a cirurgia corretiva, deve haver uma avaliação de fatores como a capacidade de exercício, a presença de qualquer regurgitação residual e a necessidade de anticoagulação. Tal avaliação deve incluir um exame detalhado do coração e da capacidade do indivíduo de se exercitar a uma intensidade compatível com o mergulho, sem evidência de isquemia, chiado no peito, insuficiência cardíaca ou um problema conhecido como "desvio da direita para a esquerda."


Other Features FAQs