DAN Medical Frequently Asked Questions

Back to Medical FAQ List
Bookmark and Share

Mergulhador usando máscara full-face fica sem ar

Um mergulhador inexperiente com um reflexo faríngeo hipersensível usou uma máscara full-face durante um mergulho em naufrágio. Ele ficou sem ar comprimido para respirar e teve de remover a máscara para compartilhar ar com o seu dupla. Nos mergulhos posteriores, levou consigo uma máscara padrão de reserva. Em uma viagem de veleiro pelo Caribe, três amigos mergulhadores e eu decidimos mergulhar em um naufrágio que havíamos visitado durante outra viagem parecida alguns anos atrás. Eu era o mergulhador mais experiente (cerca de 25 anos) e tinha sido assistente em aulas de mergulho autônomo por muitos anos na faculdade. Os outros três mergulhadores tinham menos de 10 ou 20 mergulhos cada.

Um deles tinha um histórico de reflexo faríngeo ultrassensível e se sentia pouco à vontade usando um regulador na boca. Ele tinha comprado uma máscara full-face e a tinha provado uma vez antes dessa viagem. Se ele acabasse se envolvendo em uma situação de falta de ar, teria de remover completamente a máscara para poder compartilhar ar com seu dupla. Recomendei que ele levasse uma máscara comum em volta do pescoço quando mergulhasse com a máscara full-face, para que, se fosse necessário removê-la durante o mergulho, ele pudesse colocar uma máscara regular (algo que aprendi no treinamento de mergulho em caverna).

Porém, no dia deste mergulho em naufrágio em particular, o mergulhador com a máscara full-face não quis se incomodar em levar uma máscara extra. Assim que entramos na água, os mergulhadores ficaram tão encantados com o naufrágio que todos pareciam tomar direções diferentes. Reuni o grupo e tentei fazer com que os três prosseguissem mais próximos, mas o entusiasmo os venceu e todos se afastaram novamente uns dos outros. Como líder do mergulho, eu checava periodicamente os manômetros e todos os quatro estávamos consumindo a mesma quantidade de ar. Depois de algumas checagens dos manômetros individuais, comecei a me basear apenas no meu manômetro para calcular o ar do grupo.

Quando a leitura do meu manômetro se aproximou de 1.000 psi, estávamos nos deslocando ao longo do naufrágio e subindo gradualmente de uma profundidade aproximada de 24 m (80 pés) para 18 m (60 pés). Comecei a procurar por um cabo de amarração que pudéssemos acompanhar para fazer uma subida controlada. A corrente no naufrágio estava forte o bastante para que eu não quisesse tentar uma subida livre, ainda mais porque havia vários barcos ancorados no local. Encontrei logo um cabo de amarração e notei que estava a 900 psi; pensei que todos poderíamos fazer uma parada de segurança a 4,5 m (15 pés) por alguns minutos. Quando olhei em volta, vi o mergulhador com a máscara full-face nadando rapidamente na minha direção e sinalizando que estava sem ar. Localizei velozmente o meu octopus, enquanto ele retirava a máscara full-face e me alcançava no cabo de amarração.

Visto que o mergulhador não possuía uma máscara de reserva, ele teve de tapar o nariz com os dedos, fechar os olhos e se concentrar na respiração com água no rosto. Ele estava ansioso para subir, mas respirava bem, então controlei nosso ritmo de subida. Assim, subimos rapidamente, mas não perigosamente. Na superfície, ele estava bem. Abaixo de nós, os outros dois mergulhadores faziam a parada de segurança no cabo de amarração.

Pensando em retrospecto, eu deveria ter feito várias coisas de modo diferente. Deveria ter insistido para que o mergulhador com a máscara full-face levasse uma máscara de reserva, deveria ter obrigado o grupo a permanecer mais unido e deveria ter sido mais enérgico no monitoramento do consumo de ar de todos os mergulhadores. Acabei constatando que o mergulhador com a máscara full-face estava consumindo muito mais ar, especialmente depois que o cilindro se esvaziou. Em outros mergulhos durante a nossa viagem, ele sempre foi o primeiro a ficar sem ar e me pergunto se o uso da máscara full-face tenha provocado um maior consumo de ar.

Nenhum dos mergulhadores provou qualquer reação adversa, e realizamos mais três mergulhos até o fim daquela semana com o nosso barco. Nos últimos mergulhos, o grupo permaneceu muito mais unido e monitoramos o consumo de ar com muito mais frequência.
Mergulhar com uma pequena embarcação particular sem uma organização formal, quando comparado a mergulhos com grupos formais, acarreta um risco maior de incidentes. É como os voos não programados e com pequenas aeronaves quando comparados aos voos de linhas programados com grandes companhias aéreas. Amigos tendem a permitir maiores concessões com amigos ou a assumir mais responsabilidades individualmente do que um profissional de mergulho assumiria em relação a um cliente.

Nesse caso, o mergulhador mais experiente assumiu a responsabilidade pelo monitoramento dos manômetros dos outros mergulhadores, ao invés de deixar a tarefa para eles mesmos. Ele fez a coisa certa ao assumir a responsabilidade de verificar os manômetros dos companheiros.

O mergulhador com um reflexo faríngeo hipersensível estaria em uma situação de risco adicional de afogamento se o seu reflexo se manifestasse embaixo d'água. Ele pensou que uma máscara full-face seria a solução, mas não praticou o seu uso o suficiente antes da viagem de mergulho. Além disso, ele não tomou nenhuma precaução adicional para evitar uma situação de falta de ar. Remover a máscara full-face embaixo d'água e usar outro regulador com o qual o mergulhador não estava acostumado poderia ter causado um reflexo faríngeo em um indivíduo hipersensível.

Manter o contato entre os mergulhadores do grupo é importante, mas isso não compensa a incompetência de indivíduos no interior do grupo. Um mergulhador que não é capaz de ler o seu próprio manômetro deve ser considerado incompetente. Uma avaliação informada dos riscos para um grupo de mergulhadores como esse deveria excluir o mergulho em locais remotos. Os mergulhadores não avaliaram os riscos adequadamente e se expuseram a um risco desnecessário. O fato de que "nada de grave aconteceu" não justifica tal comportamento.

— Petar Denoble, M.D., D.Sc.


Other Case Summaries FAQs